sexta-feira, 25 de setembro de 2009

♪ Não quero compromisso, nem quero casamento ... ♫

Por: Camilla Azuos às 21:34 0 entrometimentos

Estive pensando: "qual a vantagem de casar nos dias atuais?". Me digam, qual é a vantagem?

Nem vou esticar o assunto, primeiro pq estou cansada demais para redigir um big texto, e segundo pq fazer poemas é uma dádiva (acredite, isso foi extremamente irônico!) e aqui vão dois deles para expressar melhor sobre essa primeira frase entre aspas que escrevi.

Poema escrito por um homem:

Que feliz sou eu, meu amor!
Já, já estaremos casados, o café da manhã na cama,
um bom suco e pão torrado.
Com ovos bem mexidinhos,
tudo pronto bem cedinhode, ois irei pro trabalho
e você para o mercado.
Daí você corre para casa rapidinho,
arruma tudo e corre pro seu trabalho
para começar seu turno.
Você sabe que de noite gosto de jantar bem cedo,
de ver você bem bonita alegre e sorridente.
Pela noite mini-sériesm cineminha bem barato,
nunca iremos ao shopping, nem a restaurantes caros.
Você vai cozinhar pra mim comidinhas bem caseiras,
pois não sou dessas pessoas que gostam de comer fora.
Você não acha, querida, que esses serão dias gloriosos?
Não se esqueça, meu amor, que logo seremos esposos!

Triste a realidade, não?! Mas, graças a Deus somos mulheres do século XXI e não deixamos nada barato. Não nascemos para queimar as mãos no óleo, nem ficar com cabelo fedendo a peixe.

Poema escrito por uma mulher:

Que sincero meu amor! Que oportuna as suas palavras!
Esperas tanto de mim, que me sinto intimidada.
Não sei fazer ovo mexido como sua mãe adorada,
meu pão torrado se queima, de cozinha não sei nada!
Gosto muito de dormir, até tarde, relaxada!
Ir ao shopping fazer compras com a Mastercard dourada.
Sair com minhas amigas, comprar só roupa de marca,
sapatos só exclusivos e as langeries mais caras.
Pense bem, que ainda há tempo: a igreja não está paga.
Eu devolvo meu vestido, e você seu terno de gala.
E domingo bem cedinho, pracomeçar a semana,
ponha um aviso no jornal com letras bem destacadas:
HOMEM JOVEM E BONITO PROCURA ESCRAVA BEM LERDA
PORQUE SUA EX-FUTURA ESPOSA MANDOU ELE IR À MERDA!!!!!!

sábado, 12 de setembro de 2009

O novo lugar.

Por: Camilla Azuos às 20:43 4 entrometimentos

Ouvi falar tanto dessa palavra, mas esse "treco" nunca havia me assoado com tanta intensidade.
Tédio, ócio, pasmaceira, monotonia, fastio...
Tá tudo muito chato, apesar da novidade.
Pros leitores que não sabem, vim morar num paraíso inóspito chamado Vila Muriqui. Vila? Talvez! Muriqui? Nenhum jogador e nenhum macaco!
Enfim ...
Cidadezinha pequena onde se ouvem apenas Bem-te-vis (com hífen?), sanhaços e sabiás (aprendi até os nomes dos bihinhos).
Chato é você estar almoçando e ouvir aquele "piu piu piu" infernal!
De noite, os sons são substituídos pelos "ics ics" dos morcegos (cubram as fruteiras: eles invadem as casas!), e de vez em quando, anualmente, quando rola uma festinha de rua, vc ouve "você não vale nada mas eu gosto de vc" nos melhores dias, mas quando a galera do Morro da Encrenca (é, ele existe mesmo!) está de mau humor, a trilha sonora que nos assombra é "sou sua laranja, vem me dar uma chupadinha", música do mesmo segmento da primeira.
Triste a minha realidade, mas é verdade.
Vamos aos points:
Quinta? Bar do Bigode. Mas não adianta ir, porquê não tem ninguém lá.
Sexta? Bar do Bigode. As chances de encontrar alguém lá são maiores. Seriam maiores ainda se for feriado ou algo do gênero.
Sábado? Bar do Bigode! Por que não?! Aí tem uma galerinha mais conhecida, que já é minhoca convicta. "Oiiiiiiii migaaaa" são frases ouvidas constantemente na orla.
Domingo? Bar do Bigode até serve, as vai estar vazio de novo. De repente um passeio a beira-mar durante o crepúsculo é bem vindo.
De segunda a quarta o percurso é o mesmo: praia de manhã quando há sol (aqui é o penico de São Pedro, Jah que me perdoe!), de tardinha passeio na orla e um salgadinho da Doce Mania é sempre bem vindo!
Festa? Faça convites, com leitura invísivel ao olho nu, e visível a luz negra. Senão meia cidade é capaz de aparecer se dizendo "primo", mesmo sendo ex marido da vizinha da tia da sua prima. Aqui todos são parentes, mesmo não sendo, e tendo porranenhuma a ver.
Continuando nas festas, todas elas - veja bem: TODAS - são americanas, e se você se amarra numa loira gelada, se não levar não bebe.
Toquei no assunto principal da cidade: cerveja.
Aqui, todos são amantes da Brahma, mas se contentam com a Itaipava quente do Bigode. Fazer o que? R$ 5,00 duas garrafas. Melhor do que nada...
Difícil encontrar com alguém que não beba (salvo os crentes e cachorros, porque até as crianças desse lugar são cachaceiros), e os mesmos são capazes de matar por um gole do ouro líquido.
Ah, esqueci de mencionar o famoso e célebre Bar do Caetano, ou Cantina do Rocco.
Lá só ficam os roqueiros fedidos, e crianças que usam a lan house dele. Nada contra, mas até que gosto do ambiente: cachaça barata e música boa.
Lugarzinho romântico até que tem. Pra fazer uma média com a gatinha, os meninos levam as gatinhas no Gabirol. Nããããooo genteee! Lá é uó, só tem velho, um cara que sua que nem um porco que acha que canta alguma coisa (outro dia ele tava com uma camisa verde clara que tava mais manchada daquele suor melequento que perdi até a fome). Mas até que serve pra quem está com fome: a comida é boa... (momento mensagem subliminar: Comam no Restaurante do Naldo!)
E não posso deixar de falar do carnaval! Ah, o carnaval!
Pessos cheirosas (Uhul! Leite de Rosas debaixo do braço!), lindas (com direito a pessoas afro-descendentes com peróxido de hodrogênio nos capilares e o óculos de armação branca no meio da testa - tem que ser na testa!!) e belas vindas diretamente dos paraísos fiscais chamados Vila Kennedy, Nova Iguaçu, Mesquita e Nilópolis.
Ônibus de passeio (piratinha sem banco, cheio de buraco e o motorista parece o Fred Mercury antes da cirugia de estômago) é o que há, a Rua Santana (a minha) que o diga.
Crianças melequentas na beira da água da praia, as mães: "Uóshitu Vinícius, suspende essas calças!", ou "Estéfani Vitória vem bebê uma água menina", cachorrinhos defecando na areia, pessoas de tons de pele escuros dançando de sunga e biquini no meio da rua ao som do "mestre Catra". Cantos de boca sujos de farofa, havaianas perdidas, celulares roubados e falta d'água na cidade.
Coisa boa é a Banda do Banana (momento mensagem subliminar 2).
Pros solteiros: um tédio! Pros comprometidos: nem tanto, mas é um tédio às vezes.
Adoro esse lugar, mas para morar, está um pouco difícil para me adaptar. Vamos ver até onde isso vai.
Tristeza maior foi ter deixado amigos para trás, mas de algum modo, eles estão bem perto de mim...
Mas aqui também estou perto de algumas pessoas que eu amo. Algum lado positivo isso tinha que ter.
 

Vita... Dolce Vita** Copyright © 2012 Design by Antonia Sundrani Vinte e poucos