sábado, 29 de agosto de 2009

O melhor momento.

Por: Camilla Azuos às 00:16 6 entrometimentos

Em cima de uma bicicletinha cor de rosa, canelinhas finas, e alegria estampada no rosto. Uma menina magrela andava tranquilamente no seu portão, sob o olhar atento de seu pai.
Era finzinho de tarde, o sol estava se pondo. A atmosfera era perfeita: brisa suave, clima de verão, sol azul.
O pai estava sentado numa cadeira de praia azul e vermelha diante do portão de sua casa e observava atentamente sua cria se divertir, e estava sempre alerta caso aparecesse um carro, e logo ele chamava a menina para sair da rua e ir para a calçada.
Ele usava uma sandália verde Rider, na época, uma febre entre os pais mais jovens. Do lado direito, uma garrafa de Skol e o copo de botequim.
Ao som de Legião Urbana, mais precisamente o quinto CD deles.
Havia paz naquele local. Havia harmonia...
A partir daí, nada mais me vem à memória. A riqueza dos detalhes, a descrição de no máximo 10 minutos de “cena”... como eu me lembro disso? Essa não é a pergunta. A pergunta correta é por quê eu me lembro disso?
Uma lembrança aparentemente boba, e sem importância acontecida há 14 anos atrás.
O fato de estar em paz com alguém que se ama, de estar feliz, simplesmente de estar sorrindo pode fazer toda a diferença futuramente na personalidade de um indivíduo.
Tenho mais convicção dos detalhes desse dia aparentemente normal, do que em aniversários em que ganhei os presentes mais esperados.
Por quê? Eu não sei! Mas tenho certeza de que foi um dos dias mais felizes da minha vida! E são momentos assim que quero deixar na memória do meu filho, caso um dia eu venha a ter.
Quero que ele se lembre desse tipo de coisa boba, de coisa que naquele momento, pro meu pai, era mais um momento. Era a vida seguindo, ele estava apenas vivendo!
Não me lembro das merecidas surras, não me lembro das mais que merecidas repreensões e castigos. Se apanhei, se fui repreendida e se fiquei de castigo, foi porque mereci. E ainda assim, me lembro dos “momentos bobos” com muita saudade!

sábado, 15 de agosto de 2009

Vamos <-----> Vamos

Por: Camilla Azuos às 23:42 5 entrometimentos
Ah os seres humanos....
Todos egoístas e egocêntricos, se achando o último Sem Parar da caixinha, o último pedaço da picanha gordurosa do prato e o melhor dos melhores.
Uma das perguntas que eu mais faço pra myself é: "por que a gente sempre está interessado no retorno?".
Complicado?
Vou tentar esclarecer...
Quando a gente agrada alguém, quando estamos num relacionamento, seja amoroso, amistoso, fraternal, a gente quer o retorno.
Não é dando que se recebe? Então por que isso, na prática, não acontece?
Seria muita ignorância achar que só porque você está agradando alguém, essa pessoa tem que te retribuir?
Na verdade, devemos parar para pensar:
Você está fazendo isso porque você quer e ninguém te pediu nada!
Mas, mesmo assim, nós, homo sapiens, insistimos em ficar chateados, cabisbaixos e sem vontade de cantar uma bela canção.
Culpa de quem?
Ora, de quem se sente culpado!
Se você está lendo e está concordando comigo, por que você ainda acha que "Zezinho" tem que dar bolachas para "Maria", porque Maria deu bolachas para Zezinho ontem?
Que se dane Zezinho, que se exploda Maria!
No final eles vão acabar numa cama redonda! Ele com ressaca e barba por fazer e ela cheia de estrias e com obturações de amálgama na lata!
Pq se preocupar?
Aproveite o momento e deixe pra lá as convenções.
Aquelas historinhas que a vovó contava não passam de simples histórias. Eu sempre soube disso, mas só agora elas fizeram algum sentido (ou total sentido)...
Vamos viver... temos muito ainda por fazer!
Mesmo sabendo que a ignorância é vizinha da maldade: não olhe para trás, pois o mundo começa agora!
Faça... viva.. não olhe para trás MESMO.
Elimine por completo oq te faz mal, dê sem pensar em ter retorno. O homem é "bicho mau"! O homem não tem coração. Calma boys: homem no sentido de ser humano.
Odeio escrever em primeira pessoa, mas dessa vez é inevitável. Tô respirando essa postagem pelos poros e não posso deixar de dizer pros meus leitores (fiéis e os melhores) que eu vô morrer pastando.
Vamos dar essa postagem por encerrada? Melhor né...
Aproveitando a deixa da primeira pessoa do singular peço desculpas pra galera pq tô abandonando o blog. Mas é por questões naturais: tô me mudando, e tal... daí tô sem idéia, sem insipiração e foda-se vou dizer: não tô nada feliz pra poder escrever coisas que alegrem o dia de vocês...
Até a próxima bobagem... ops! Postagem!
 

Vita... Dolce Vita** Copyright © 2012 Design by Antonia Sundrani Vinte e poucos