sábado, 29 de agosto de 2009

O melhor momento.

Por: Camilla Azuos às 00:16

Em cima de uma bicicletinha cor de rosa, canelinhas finas, e alegria estampada no rosto. Uma menina magrela andava tranquilamente no seu portão, sob o olhar atento de seu pai.
Era finzinho de tarde, o sol estava se pondo. A atmosfera era perfeita: brisa suave, clima de verão, sol azul.
O pai estava sentado numa cadeira de praia azul e vermelha diante do portão de sua casa e observava atentamente sua cria se divertir, e estava sempre alerta caso aparecesse um carro, e logo ele chamava a menina para sair da rua e ir para a calçada.
Ele usava uma sandália verde Rider, na época, uma febre entre os pais mais jovens. Do lado direito, uma garrafa de Skol e o copo de botequim.
Ao som de Legião Urbana, mais precisamente o quinto CD deles.
Havia paz naquele local. Havia harmonia...
A partir daí, nada mais me vem à memória. A riqueza dos detalhes, a descrição de no máximo 10 minutos de “cena”... como eu me lembro disso? Essa não é a pergunta. A pergunta correta é por quê eu me lembro disso?
Uma lembrança aparentemente boba, e sem importância acontecida há 14 anos atrás.
O fato de estar em paz com alguém que se ama, de estar feliz, simplesmente de estar sorrindo pode fazer toda a diferença futuramente na personalidade de um indivíduo.
Tenho mais convicção dos detalhes desse dia aparentemente normal, do que em aniversários em que ganhei os presentes mais esperados.
Por quê? Eu não sei! Mas tenho certeza de que foi um dos dias mais felizes da minha vida! E são momentos assim que quero deixar na memória do meu filho, caso um dia eu venha a ter.
Quero que ele se lembre desse tipo de coisa boba, de coisa que naquele momento, pro meu pai, era mais um momento. Era a vida seguindo, ele estava apenas vivendo!
Não me lembro das merecidas surras, não me lembro das mais que merecidas repreensões e castigos. Se apanhei, se fui repreendida e se fiquei de castigo, foi porque mereci. E ainda assim, me lembro dos “momentos bobos” com muita saudade!

6 entrometimentos:

orkutrbt on 29 de agosto de 2009 00:48 disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Sampaiorama on 29 de agosto de 2009 01:06 disse...

Olha só....A menstruação atrasou?? kkkk.... Instinto maternal bateu fundo agora...Mas é fods mesmo,sempre se tem uma lembrança doida assim.

Camilla Azuos on 29 de agosto de 2009 01:39 disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Raphael Oliveira on 29 de agosto de 2009 11:49 disse...

Faz uns dias eu escrevi um texto com a mesma intenção.

http://matutandorj.blogspot.com/2009/08/moca.html

Lapide!!! on 30 de agosto de 2009 23:02 disse...

É filha...acho que entendi o que você quis dizer(não perdeu o jeito totalmente ;))
Esses momentos "bobos", que para nós na hora não fazem diferença, nós lembramos porque são os que ficam mais fundo na memória...são os que acontecem o que não esperamos...que improvisamos a vida...que nos sentimos melhor...tardes sentados com amigos, podem parecer sem sentido no começo...mas mais pra frente lembraremos com enormes saudades desses momentos e não daquelas festas que enchemos a cara (pq depois da ressaca ninguem lembra mesmo :D).

Amanda on 4 de setembro de 2009 00:27 disse...

Banda, eu te entendo.
Eu sempre te entendo, afinal

 

Vita... Dolce Vita** Copyright © 2012 Design by Antonia Sundrani Vinte e poucos